top of page
NOTÍCIAS & ARTIGOS

Acesso a dados armazenados em celular exige decisão judicial prévia e fundamentada, decide STJ.

A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça deu provimento a Recurso Ordinário Constitucional em Habeas Corpus, declarando a nulidade de um processo em que o juiz de primeira instância autorizou a quebra de sigilo de dados e de comunicações telefônicas de um réu "em apenas duas linhas". O telefone já havia sido acessado pelos policiais que realizaram a prisão em flagrante, sem autorização judicial, portanto.


O acusado foi abordado e preso em flagrante por policiais militares em posse de 77 gramas de maconha. Após a prisão, os policiais acessaram o celular do réu, constatando a existência de mensagens negociando a venda de drogas. Na audiência de custódia, o juiz autorizou a quebra do sigilo de dados do telefone, que já havia ocorrido, sem apontar elementos do caso concreto que demonstrassem a necessidade da medida.


Em seu voto, seguido à unanimidade, o relator, Ministro Rogério Schietti Cruz, apontou que um smartphone, além do simples registro de ligações e mensagens, detém diversas informações tais como "dados bancários, contas de correio eletrônico, histórico dos sites visitados, informações sobre serviços de transporte público utilizados dentre outros.". Estes dados, por dizerem respeito à intimidade e à vida privada, tem proteção constitucional, como direito fundamental individual, só se permitindo restrições mediante decisão judicial prévia e devidamente fundamentada, o que não teria ocorrido no caso.


Constatando que a prova obtida através do acesso ilegal ao telefone do réu foi o que motivou o oferecimento da denúncia, a Sexta Turma do STJ declarou a nulidade do processo, desde o seu início, ressalvada a possibilidade de oferecimento de nova denúncia, desde que baseada em provas obtidas de maneira lícita. Além da declaração de nulidade, também foi revogada a prisão preventiva do réu, em razão do excesso de prazo.


3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Bastidores da advocacia criminal

Na advocacia criminal acompanhar prisões em flagrante constitui aquilo que pode ser chamado de “ossos do ofício”, não tem dia para ocorrer, tampouco hora para acabar, não é incomum avançar madrugada a

Um estupro a menos: que lição tirar?

No Brasil 1 mulher ou menina é estuprada a cada 8 (oito) minutos, na semana passada a solidariedade de um motorista de ônibus e dois passageiros salvou uma mulher de 38 anos de entrar para essa lista

Crime de Apropriação Indébita no ambiente corporativo

Paula, Ana e Maria (nomes fictícios) enfrentaram processos criminais pelo mesmo motivo, a prática do crime de apropriação indébita (Art. 168 - Apropriar-se de coisa alheia móvel, de que tem a posse ou

Comments


bottom of page