top of page
NOTÍCIAS & ARTIGOS

Condição de procurador não é suficiente para imputação de crime tributário

O Ministro João Otávio de Noronha, do Superior Tribunal de Justiça, concedeu monocraticamente ordem de Habeas Corpus determinando o trancamento de ação penal em favor de dois pacientes. No caso em tela, os pacientes foram denunciados, juntamente com seu pai, pela suposta supressão de recolhimento de ICMS.

A denúncia, contudo, não apontou elementos que ligassem os pacientes à prática delitiva, alegando, tão somente, o fato de constarem como procuradores da empresa no contrato social. Segundo a decisão "Ainda que se possa perceber a demonstração dos elementos mínimos para configuração dos indícios de autoria e materialidade referentes ao sócio-administrador da pessoa jurídica, inclusive com a aplicação da teoria do domínio do fato, a mesma conclusão não pode ser transplantada, de forma automática, aos pacientes, pelo simples fato de serem procuradores da empresa - como descrito pelo parquet na inicial acusatória.".

Ainda de acordo com o Ministro "A denúncia, conforme posta nos autos, acaba por retratar indevida inversão do ônus da prova em processo penal, atribuindo aos pacientes o dever de demonstrar a não participação no ilícito, o que caracteriza nítida hipótese de responsabilização objetiva, vedada ante a incidência absoluta do princípio da culpabilidade no direito penal".

Lei aqui a íntegra da decisão.

7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Bastidores da advocacia criminal

Na advocacia criminal acompanhar prisões em flagrante constitui aquilo que pode ser chamado de “ossos do ofício”, não tem dia para ocorrer, tampouco hora para acabar, não é incomum avançar madrugada a

Um estupro a menos: que lição tirar?

No Brasil 1 mulher ou menina é estuprada a cada 8 (oito) minutos, na semana passada a solidariedade de um motorista de ônibus e dois passageiros salvou uma mulher de 38 anos de entrar para essa lista

Crime de Apropriação Indébita no ambiente corporativo

Paula, Ana e Maria (nomes fictícios) enfrentaram processos criminais pelo mesmo motivo, a prática do crime de apropriação indébita (Art. 168 - Apropriar-se de coisa alheia móvel, de que tem a posse ou

Comments


bottom of page