top of page
NOTÍCIAS & ARTIGOS

Gravidade abstrata do delito não é fundamento para fixação de regime mais grave

O Ministro Sebastião Reis Júnior, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), concedeu, liminarmente, ordem de habeas corpus para mudar o regime inicial de cumprimento de pena de um homem condenado pela prática do crime de roubo, passando do fechado para o semiaberto.


No caso, a sentença aplicou a pena de 05 anos e 06 meses, por roubo majorado. Todavia, determinou que a pena fosse cumprida no regime inicial fechado, apesar de o réu ser primário, possuir bons antecedentes e não ter havido nenhuma circunstância para aumento de sua pena-base. O artigo 33, § 2º, do Código Penal, possibilita a fixação do regime semiaberto quando a pena for maior que 04 e menor que 08 anos, se o réu for primário.


Assim, para que seja aplicada a pena em regime mais grave do que o previsto em lei, é necessário que se aponte alguma característica do caso concreto que justifique o maior rigor. Neste sentido, inclusive, a Súmula nº. 719 do Supremo Tribunal Federal. Entretanto, a sentença apenas se limitou a dizer que "trata-se de crime de roubo majorado cometido pelos réus em concurso e com o emprego de arma de fogo". Em julgamento de apelação, o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo manteve o regime inicial fechado para o cumprimento de pena.


Por esta razão, o Ministro Sebastião Reis Júnior concedeu a liminar, apotando a ausência de razoabilidade e proporcionalidade na fixação do regime de cumprimento de pena.


9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Bastidores da advocacia criminal

Na advocacia criminal acompanhar prisões em flagrante constitui aquilo que pode ser chamado de “ossos do ofício”, não tem dia para ocorrer, tampouco hora para acabar, não é incomum avançar madrugada a

Um estupro a menos: que lição tirar?

No Brasil 1 mulher ou menina é estuprada a cada 8 (oito) minutos, na semana passada a solidariedade de um motorista de ônibus e dois passageiros salvou uma mulher de 38 anos de entrar para essa lista

Crime de Apropriação Indébita no ambiente corporativo

Paula, Ana e Maria (nomes fictícios) enfrentaram processos criminais pelo mesmo motivo, a prática do crime de apropriação indébita (Art. 168 - Apropriar-se de coisa alheia móvel, de que tem a posse ou

Comments


bottom of page