top of page
NOTÍCIAS & ARTIGOS

Inquéritos e ações penais em curso não podem impedir reconhecimento de tráfico privilegiado

O Ministro Rogério Schietti, do Superior Tribunal de Justiça, concedeu, monocraticamente, ordem de Habeas Corpus, aplicando a causa de diminuição de pena prevista no artigo 33, § 4º, da Lei nº. 11.343/06, conhecida como "tráfico privilegiado" a condenado que, embora primário e de bons antecedentes, tinha contra si inquéritos e ações penais em curso.


O paciente fora condenado à pena de cinco anos de reclusão, em regime inicial fechado, pelo crime de tráfico de entorpecentes. Em primeira e segunda instância, não foi aplicada diminuição de pena com base no "tráfico privilegiado" em razão da existência de inquéritos e ações penais em curso contra o paciente, o que demonstraria a dedicação do paciente a atividades criminosas.


Seguindo posicionamento do Supremo Tribunal Federal, de que o uso de ações penais sem trânsito em julgado e inquéritos policiais em curso para afastar o tráfico privilegiado viola a presunção de inocência, o Ministro aplicou a causa de diminuição de pena em seu patamar máximo, fixando a pena do paciente em um ano e oito meses de reclusão, em regime inicial aberto. Ainda, substituiu a pena de prisão por duas restritivas de direito, que deverão ser fixadas pelo juízo da Execução.


O Ministro asseverou, também, que a quantidade de drogas apreendidas (3,7 g de cocaína), sem que fossem encontrados outros elementos comprovadores de traficância com o paciente ou em seu poder, não permite afirmar que o paciente se dedicaria ao tráfico ou faria deste seu meio de vida.


Leia aqui a íntegra da decisão.

7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Bastidores da advocacia criminal

Na advocacia criminal acompanhar prisões em flagrante constitui aquilo que pode ser chamado de “ossos do ofício”, não tem dia para ocorrer, tampouco hora para acabar, não é incomum avançar madrugada a

Um estupro a menos: que lição tirar?

No Brasil 1 mulher ou menina é estuprada a cada 8 (oito) minutos, na semana passada a solidariedade de um motorista de ônibus e dois passageiros salvou uma mulher de 38 anos de entrar para essa lista

Crime de Apropriação Indébita no ambiente corporativo

Paula, Ana e Maria (nomes fictícios) enfrentaram processos criminais pelo mesmo motivo, a prática do crime de apropriação indébita (Art. 168 - Apropriar-se de coisa alheia móvel, de que tem a posse ou

Comments


bottom of page