top of page
NOTÍCIAS & ARTIGOS

Ministro Marco Aurélio suspende efeitos de sentença condenatória por violação ao sistema acusatório

Em decisão liminar concedida em Habeas Corpus, o Ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal, suspendeu os efeitos de uma sentença condenatória por violação ao sistema acusatório consagrado na Constituição Federal.


O paciente fora condenado pela prática dos crimes de uso de documento falso (artigos 304 combinado com 298, ambos do Código Penal) e contrabando (artigo 334-A do Código Penal), pelo juízo da 1ª Vara Federal de Umuarama/PR, à pena de 03 anos de reclusão, em regime inicial semiaberto, substituída por penas restritivas de direitos.


Ao apresentar a denúncia, o Ministério Público Federal não arrolou testemunhas, uma vez que o réu confessara o delito e que os depoimentos prestados pelos policiais constavam do inquérito. Em juízo, o réu se valeu de seu direito constitucional de permanecer em silêncio.


De ofício, o juiz federal determinou a realização de nova audiência para que fosse ouvido um dos policiais. Alegou ser indispensável a diligência em razão da busca pela "verdade real", já que o acusado não confessara o crime em juízo. Apesar dos recursos interpostos pela defesa, a condenação foi mantida pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região e pelo Superior Tribunal de Justiça.


Segundo o Ministro, houve violação ao sistema acusatório pela adoção, pelo juízo de primeira instância, de postura ativa na produção de provas que caberiam à acusação, ressaltando que, o sistema acusatório consagrado pela Constituição exige a separação das funções de acusar e julgar, para que seja garantida a imparcialidade do julgador.


tem-se que esta há de estar voltada a dirimir dúvida.". Ou seja, pode haver produção de prova pelo julgador, desde que para esclarecer dúvida sobre a prova já produzida pelas partes, sendo vedada a produção de provas no lugar da acusação ou da defesa. A decisão ainda precisa ser confirmada pela Primeira Turma.


Leia aqui a íntegra da decisão.

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Antonio, da prisão para os resgates no RS

A tragédia no Rio Grande do Sul me trouxe, quase acidentalmente, a lembrança de um caso marcado em minha memória. Ao acompanhar a cobertura jornalística da enchente, identifiquei um ex-cliente entre o

A prisão do motorista do Porsche

O motorista da Porsche deveria realmente estar preso? A morte do motorista de aplicativo Ornaldo da Silva Viana, no fim de março, poderia ter sido apenas mais um número nas estatísticas de acidentes d

Bastidores da advocacia criminal

Na advocacia criminal acompanhar prisões em flagrante constitui aquilo que pode ser chamado de “ossos do ofício”, não tem dia para ocorrer, tampouco hora para acabar, não é incomum avançar madrugada a

Comments


bottom of page