top of page
NOTÍCIAS & ARTIGOS

Prisão em flagrante convertida em preventiva de ofício é ilegal

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal concedeu, de ofício, ordem de habeas corpus para invalidar prisão preventiva decretada de ofício pelo juízo de primeira instância. No caso, o paciente foi preso em flagrante, sendo a prisão convertida em preventiva sem a realização da audiência de custódia e sem que houvesse pedido da acusação nesse sentido.


O relator, Ministro Celso de Mello, apontou em seu voto que a audiência de custódia é direito subjetivo da pessoa presa, fundamentado em normas brasileiras e em tratados internacionais de Direitos Humanos. Assim, a realização da audiência, no prazo de vinte e quatro horas, é obrigação do juiz, sendo a manutenção da prisão ilegal em caso de descumprimento. De acordo com o relator, nem mesmo a pandemia causada pelo COVID-19 é justificativa para que não seja realizada a audiência de custódia, uma vez que pode ser efetuada mediante videoconferência.


Na sequência, o voto aponta que a Lei nº. 13.694/2019, conhecida como "Pacote Anticrime", modificou o Código de Processo Penal, removendo a possibilidade de decretação de prisão preventiva de ofício pelo juízo, tanto na fase policial quanto na judicial. Desse modo, a decretação de prisão preventiva sem pedido da acusação (ou da polícia) é ilegal.


O mesmo raciocínio se aplica à prisão em flagrante, segundo o Ministro Celso de Mello. É necessário que se interprete a lei como um todo, para evitar contradições. Portanto, os dispositivos que tratam da prisão em flagrante devem ser interpretados de acordo com a proibição de decretação de prisão de ofício, sem pedido da parte acusatória.


Por fim, asseverou-se que, em processo penal, não há poder geral de cautela, ficando o juízo restrito às medidas cautelares previstas em lei, unicamente nas hipóteses legais de cabimento. O voto foi seguido à unanimidade pela Segunda Turma.


Leia aqui a íntegra do acórdão.

28 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Antonio, da prisão para os resgates no RS

A tragédia no Rio Grande do Sul me trouxe, quase acidentalmente, a lembrança de um caso marcado em minha memória. Ao acompanhar a cobertura jornalística da enchente, identifiquei um ex-cliente entre o

A prisão do motorista do Porsche

O motorista da Porsche deveria realmente estar preso? A morte do motorista de aplicativo Ornaldo da Silva Viana, no fim de março, poderia ter sido apenas mais um número nas estatísticas de acidentes d

Bastidores da advocacia criminal

Na advocacia criminal acompanhar prisões em flagrante constitui aquilo que pode ser chamado de “ossos do ofício”, não tem dia para ocorrer, tampouco hora para acabar, não é incomum avançar madrugada a

Kommentare


bottom of page