top of page
NOTÍCIAS & ARTIGOS

TRF3 anula atos processuais, ante a inércia dos procuradores constituídos do acusado

Os atos processuais referentes ao paciente, foram declarados nulos a partir do oferecimento de resposta à acusação, com base na Súmula 523 do Supremo Tribunal Federal:


"No processo penal, a falta de defesa constitui nulidade absoluta, mas a sua deficiência só o anulará se houver prova de prejuízo para o réu."


De acordo com o magistrado de primeira instância, não houve prejuízo ao acusado, não se podendo falar em cerceamento de defesa. No entanto, conforme mensagens do aplicativo de WhatsApp e email juntados no processo, o acusado acreditava que estava sendo assistido por seus antigos patronos, sem a ciência ou anuência da representação da Defensoria Pública da União, ante a ausência daqueles aos atos processuais.


Nos termos do voto do relator "(...) A opção pela Defensoria Pública deve ser consciente, ainda que advenha do silencio réu, quando intimado a constituir novo causídico. O caso em exame apresenta particularidade no ponto em que, como já dito, o réu instou seus causídicos a atuarem, conforme comprovam as mensagens trocadas, e estes responderam no sentido de que estavam, sim, atuando regularmente. No entanto, continuavam sem comparecer aos atos processuais, que eram acompanhados pela DPU, sem que o réu tivesse consciência disso."


Além disso, segundo o relator, restou configurado o prejuízo ao acusado, uma vez que não somente o réu não estava presente nos atos processuais e instrutórios, como também seu defensor constituído


Lei aqui a íntegra do acordão.


8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Bastidores da advocacia criminal

Na advocacia criminal acompanhar prisões em flagrante constitui aquilo que pode ser chamado de “ossos do ofício”, não tem dia para ocorrer, tampouco hora para acabar, não é incomum avançar madrugada a

Um estupro a menos: que lição tirar?

No Brasil 1 mulher ou menina é estuprada a cada 8 (oito) minutos, na semana passada a solidariedade de um motorista de ônibus e dois passageiros salvou uma mulher de 38 anos de entrar para essa lista

Crime de Apropriação Indébita no ambiente corporativo

Paula, Ana e Maria (nomes fictícios) enfrentaram processos criminais pelo mesmo motivo, a prática do crime de apropriação indébita (Art. 168 - Apropriar-se de coisa alheia móvel, de que tem a posse ou

Comments


bottom of page